terça-feira, 22 de setembro de 2009


desenha na carteira um coração
a saudade é um bichinho estranho que morde a gente
incomoda
faz adoecer
ficar de cama
perder a fome

desenha dentro do coração duas iniciais
o ser amado
as lembranças
as vontades
o amor
tudo isso cabe ali dentro? dentro de um coração tão pequeno?

desenha asas no coração
ele voa?
para onde?
sozinho?
feliz?
machucado?

sonha com o coração, com o voar, com os sentimentos que habitam tão pequeno espaço...
mas que tudo, sonha com o ser amado, amando...


(noite do dia 21, ou madrugada do dia 22... o relógio marca meia noite e quarenta e seis, escuta uma canção diferente... não traz lembranças. por que escuta essa canção? não cria lembranças com ela... tenta fazer com que as lembranças parem de se amontoar, parem de se lembrar... as vezes parecem tão reais que pode sentir na pele o arrepio... as vezes parece que sente de novo aquela velha agitação, de quando as borboletas invadiam seu estômago, que quase tremia com a visão do ser amado, que seu cheiro entorpecia os sentidos, que era só o sentir... era só sensação, parava o mundo e só restava ali a amada e o sentimento. era tão vivo, era tão lindo! hoje quer com as lembranças sentir aquilo tudo outra vez... aquilo que faz tanta falta... porque não consegue se sentir assim com outra pessoa? porque não se entrega? *mas a quem se entregar?* ela sonha com a sensação de paralisia ante a uma pessoa. de descontrole. aquela sensação de se perder no espaço e no tempo para se encontrar no olhar, no toque, na pele da outra pessoa. de outra pessoa... ela sonha com o passado, ela sonha com o futuro... ela sonha... com a mudança... sonha, sonha, sonha...)

Eu acho que o universo conspira.
Vou dizer porque...
Estava chegando em casa hoje, chovendo... Me senti bem... Lavando a alma, sabe?
Comecei a cantarolar a música Chover, Cordel... O que acontece? Na parte em que se diz "meu povo não vá-se embora pela Itapemirim, pois mesmo perto do fim nosso sertão tem melhora, o céu tá calado agora, mas vai dar cada trovão!" O céu estremeceu ao som de um trovão. Balançou tudo!
Sorri.

Em casa, fui atualizar o fotolog... Quis colocar essa imagem linda da borboleta listrada, como uma zebra... Lembrei da música do Hendrix, Little Wing... Postei... Daí "descobri" que num cd a Cássia canta essa música. Fui procurar na internet, quando encontrei, descobri ser um cd dela que comprei a muito tempo, mas nunca ouvi com atenção... Na época, passei o cd uma vez pra ver se havia alguma falha...

*parei de escrever pra repetir a faixa nove do cd, Little Wing*

Voltando ao caso que conto. Procurei entre os meus cds e o encontrei. Coloquei o cd, abriu o media player, automaticamente... Aqui, o fantástico acontece de novo. Meu player toca as músicas aleatoriamente. Ao colocar o cd e começar a tocar, adivinhem qual faixa que toca?
Pois bem, faixa nove.

Fantástico como essas coisas que acontecem sem nosso controle podem ser lindas...

Que sejam!

Well she's walking through the clouds
With a circus mind that's running round
Butterflies and zebras
And moonbeams and fairy tales
That's all she ever thinks about
Riding with the wind
When I'm sad, she comes to me
With a thousand smiles, she gives to me free
It's alright she says it's alright
Take anything you want from me
You can take anything, anything
Fly on little wing
Fly on little wing
Fly on, fly on, fly on...


Sentei ao lado da janela e observei a chuva cair,
Gosto de olhar as gotas... Parecem se entregar nessa queda...
Seguras do chão que as vai aparar.
Quis me jogar com elas, com cada uma delas, esperando que me aparassem...

Sempre tem alguém pra me aparar... Amigos, amores...
Ao pensar nisso uma chuva de lembranças varreu minha mente...
Saudades apertaram, envolveram... Me deram segurança...
Tanto do caminho percorrido... Tanto à percorrer...

Me joguei, por dentro e por fora...
Na chuva que me levou...
Molhada, cansada, cheia de quereres me atirei, braços abertos, olhos fechados.

Estou confiante. A queda, a entrega.
Suspiro de ansiedade... As cartas estão na mesa...
Espero que alguém me ampare...

domingo, 13 de setembro de 2009

Abro a porta e a deixo entrar...

- Não sabia que vinha...

Passo a tarde toda em sua companhia, mas quase sem falar...
Escuto tudo o que ela diz... As vezes pareço compreender, mas o maior tempo que passo é a desvendar tudo o que escuto.

Coisas que a muito já aconteceram, coisas que nunca existiram... Coisas, coisas e coisas...

N'Algumas lembranças nem me reconheço... N'outras me vejo...
Sei que todas são minhas, de uma forma ou outra... Mas elas me arranham... Tiram sarro de mim...
Ela tira sarro de mim.

Vem até minha casa só para me atormentar...

Abri a porta e deixei a saudade entrar...

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

phoenix

Faz muito tempo que não te falo. É que tanta coisa aconteceu na minha vida. E não tem ideia de como estou mudada. Eu queria te dizer que tudo vai bem, que estou feliz, que não choro as vezes...
Mas isso não posso. Um dia eu vou estar feliz, vou sorrir com mais facilidade e não vou chorar por esses motivos.
Sabe, eu quis te escrever antes, desculpe a demora. Mas talvez fosse melhor falar só agora, é que as vezes é bom guardar algo que seria dito e esperar a hora certa.
Pode parecer cruel ou frio, mas muitas vezes é cuidado.
Não sei mais. Me perdi em pensamentos ao ouvir uma voz familiar. Me perdi dentro de mim mesma, dentro de coisas que pareciam tão...!
Um suspiro me põe de volta ao regular. Regular porque não está mais fantástico. Pareceu que seria de outra forma, mas talvez não estivesse preparada. Ou segura. Ou.
Pareço estar um pouco perdida. Talvez porque o esteja. Mas eu sei que estou perdida ao mesmo tempo que sei onde estou.
Não digo que é fácil...
Engraçado, agora pensei na raposa. Sabe? A do pequeno príncipe? Pensava na felicidade... Acho que minhas quatro horas ainda vão chegar... Talvez... Não quero me encher de esperanças... Mesmo que uma pessoa sem esperanças seja por demais triste.
É que não quero me encher demais em esperanças e deixar de viver. De sentir...
O que eu queria mesmo...

Nem eu sei ao certo...

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Suspense

As pessoas olham, suspiram.
O homem se aproxima
Ela ainda respira.
Perplexos todos a rodeiam, todos a admiram,

Silêncio
Ela tenta falar, mas as palavras não se formam.
Muito sentimento.
Pouca coesão.
Entre ofegantes sílabas, todos entendem o que ela diz:
Eu morri...
...de amores...