quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Os textos não...



É bom ser lembrada
É bom lembrar o que as vezes me esqueço
E me esqueço quando vem 'a coisa'...
Essa coisa que aparece no meio do nada, da tarde, do sonho...

É uma certeza do incerto
Seria certo pensar?

Mas acontece que é bom ser lembrada das coisas que valem a pena.
Que me valem a pena.

Pode ser um me ligar no meio da tarde pra saber como estou e eu dizer sem palavras, em silêncio e lágrimas, que gostaria muito de um abraço. Precisava muito dele.

Pode ser um sinto saudades vamos nos ver e fazer algo bacana, combinado com uma música, um som pra me lembrar das coisas...

Sabe, eu ando desenhando na parede...
É pra ocupar a cabeça, fazer parar de vir 'a coisa'...
É que quando ela vem, o mundo pára e parece entrar todo na minha cabeça.
Aí já não consigo fazer nada, ser nada.

Quando 'a coisa' vem, eu me esqueço de você, de vocês... Só fica o resto do mundo...
E sabe... As vezes esse resto não vale muito a pena...

É inevitável...
O ela vir...
Mas com essas coisas que me lembram, talvez ela vá embora mais rápido...

E 'Ela' também vai embora com a chegada d'a coisa'... Mas Os textos....
Ah!
Eles estão na parede, nos cadernos, no coração...
Eles fazem parte de mim...
E o que faz parte de mim permanece.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Nada tenho, vez em quando tudo.




Texto da foto: Orlando Pedroso (fotolog)
Desenho da foto: Brincadeiras na parede do meu quarto... Logo logo eu vou pintar...

Dias de nostalgia...
Nem ruim...
Nem bom...

Mas ando precisando de uns braços e abraços...

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Que falta a falta faz?

Nada substitui o que eu sinto.
Não! É pior... Nada preenche esse buraco, esse oco dolorido que agora é o que antes foi meu coração.
Dramático? Muito. Mas é esse o desespero que invade meus dias e eu já não sei o que fazer
Eu sinto, vejo, ouço... Mas não entendo, e preciso entender.
Entender é a chave de tudo. É a resposta, ou até a pergunta mais importante.
Estou sensível, carente, facilmente irritável e tanto mais que me irrita pensar em listar... Me traz lágrimas aos olhos pensar em listar. Me dá vontade de,

Tenho escrito menos do que é necessário, tenho lido bem pouco, não tenho saído de casa. A não ser por algumas urgências. Só me demorei fora de casa num dia em que rir desesperadamente me pareceu uma boa forma de escape, dessa toda tensão depressiva que ocupou meu dia e meus pensamentos. E foi bom ter ficado fora. Digo que a relação da BHTrans e os índices de tuberculose pancreática foi imprescindível pra uma leve melhora e talvez uma grande mudança de perspectiva.

Talvez toda essa polidactilia verbal e essa religiosidade ateu me trouxe uma ligação com o mais afastado do meu eu, aquele que sempre se esconde, esquiva, equivoca. E agora, de frente pra mim mesma, posso tentar analisar e descobrir o porquê do choro, da crise, do surto que virá.

Hoje estou assim, insignificante e com um sentimento insubstituível. De fraqueza, incompetência...
É, eu sei... É tudo da minha cabeça... A maioria das coisas que eu sinto vem de dentro e não de fora...
Mas é o que eu estou sentindo... E é forte o suficiente pra fazer sentido.

Estou rodeada de palavras cheias de significados subtendidos, rodeada de ideias, saudades, vontades... Mas as frases da minha parede parecem fazer graça da minha cara. Cheias de si! Fui eu quem deu sentido a cada uma delas! Eu!

Que falta a falta faz?



"Não me pergunte por que estou triste,
Fico mais triste por não poder dizer-te porque 
esta dor existe e nunca cessa de me vencer"
 Fernando Pessoa

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

É coisa de criança.

A mãe está fazendo seus trabalhos da faculdade, o filho, pequeno ainda, chega desesperado pra ela:


-Mãe mãe! Hoje eu senti uma coisa estranha no peito, uma pontada estranha, eu tô com medo mãe!


-Quando foi isso - pergunta a mãe preocupada.


-Foi na hora do recreio... Eu tava com raiva, a Luciana não quis aceitar meu biscoito, mas aceitou o do Pedrinho. Daí veio a pontada...


-Você estava com ciúmes, meu filho... A gente sente isso quando gosta de alguém...


-Mas mãe, doeu! É assim quando a gente gosta das pessoas?


-É normal, quando a gente está apaixonado as vezes dói assim.


-E a gente morre disso mãe?


Ela negou com a cabeça, sorriu e passou a mão pelos cabelos do filho. Mas lá dentro ela pensou - Morre sim... Eu já morri.

sábado, 4 de setembro de 2010

Erros, cagadas e afins

Eu achei que era uma coisa e era outra

Eu pensei que era pra sempre mas a data de validade estava expirando
Eu jurava que não tinha errado mas estava errada sobre isso também

Eu não entendia muito bem o que era o amor mas estou começando a aprender

Eu fiz juras a mim mesma que quebrei
Eu fiz juras a você e elas viraram fumaça

Eu consegui separar as coisas pra, sem saber, me separar delas depois
Eu sinto faltas que não entendo e vontades que entendo menos ainda

Eu vivi um mundo de coisas e, mesmo achando que já foi o suficiente, sei que muito mais há de vir.

Eu quis tantas presenças que acabei sozinha
Eu tive tanto medo de perder que foi exatamente o que fiz

Eu acho que não mudei nada, e talvez esteja errada ao pensar assim

Eu quis falar e fazer tanta coisa!
Mas não fiz.

Eu quis explicar outras tantas...
Mas como explicar o que eu não entendo?

Eu quis acabar com tudo, mas não consigo.

Eu quis acabar comigo,
Mas já não tem muita coisa pra acabar mesmo.

Eu quis gritar
Mas ninguém ia escutar mesmo.

Já me senti insignificante
E ainda sinto

Já confirmei dúvidas
E ganhei o dobro delas.

Me perdi dentro do meu quarto pra me encontrar numa esquina. 
Numa palavra.

Escrevi, mas não tudo o que importava.

Me cansei de tudo mas sempre renovo as esperanças.
E as esperas.

Sangrei, mas era lágrima
Chorei, mas era sangue

Cortei o coração, por dentro. Mas a dor não saiu.
Gritei o mais silencioso dos sussurros.

Me esqueci o suficiente pra lembrar só o que importa, e o que me move.

Enchi as palavras de significados ocultos só pra não dizer três simples, delicadas e sinceras palavras.

Quis me fazer explicar por coisas intocáveis
Somente por não saber lidar com as que alcanço.

Sorri, mas era tristeza
Quando foi verdadeiro, nem eu notei.

Em verdade digo que sinto falta.

Mas não... Ninguém vai ficar sabendo.

Nem eu.