terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Semi-alucinações II

Te escrevi um poema, à lápis no papel...


Te escrevi carinhos e carícias.


Te escrevi abraços, cuidados, afagos...




Te escrevi muita coisa que gostaria de te dar.


Mas ficou ali, naquele papel decorado. 


No caderno que agora anda sempre comigo.


Carente.

sábado, 18 de dezembro de 2010

fôlego

éter!
éter!
maldito 'insegurável'!
volta pensamento
volta sentimento
não me largue assim só
não me deixe sem resposta
volta e me envolve e me explica
por que eu não posso tocar a poesia?

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Semi-alucinações I

Vamos falar do toque...


Minha super valorização do toque.
É meu, sincero, único e fucking special, e eu divido com quem tiver força para me alcançar...
Mas corre meu bem, eu gosto de voar alto!
Quer vir comigo?

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

olhos

quase não há palavras para explicar.






talvez quando os entender...






por'quanto, encantam a quem pare para olhar.






e eu parei.

Again...

Tenho fome e sede do que me faz falta...

Tenho vontades  e saudades, tenho faltas e lembranças...
Tenho o que me acompanha e o que clama e grita e berra.
Tenho tudo isso, e não me basta... Queria talvez a sobra de quem se banha nos desejos, de quem se alimenta de sonhos...
alimenta-me?

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Somente

A vista daqui de cima é deslumbrante.
Essa cidade, as vezes tão sem graça, acaba por ter certos encantos...
Nós é que esquecemos de procurar.


O dia começou devagar, desânimo, calor, impaciência.
A ansiedade que me consome parecia estar mais esfomeada.
Respirar era pesado.


Agora, aqui de cima, nesse silêncio, consigo repensar o dia.
De alguma forma me fez falta.
De uma forma que eu ainda não consegui entender para poder te explicar.


Passei o dia ansiosa por te ver, passei o dia querendo te encontrar.
Mas agora, aqui de cima, a falta parece ser mais latente.
Algo falta dentro de mim.


Algo...


A vista daqui de cima é meio poética...
Mas minha poesia não está completa.


Acho que a vida tem certos encantos...
Se importa se eu te procurar?

Rapte-me camaleoa...

Me tira de órbita, balança meu mundo. Segura minha mão e me carrega com você.

Preciso de algo assim, borboletas no estômago... Ansiedade... Eterna (re)descoberta...

De si. Do outro.

Mas tudo é tão difícil... Eu não me deixo experimentar o que pode estar ao alcance.
Mas como saber?
Pergunto, realmente curiosa, existe uma receita?

Essa inquietação que perturba meu sono, me traz sonhos e mais sonhos e mais sonhos...

Quando é que esses sonhos se tornarão reais e palpáveis?

Queria que as vezes as coisas não fossem assim, cheias... De opiniões terceiras, desafetos, confusões.

Me leva pra onde não machuque mais?

Onde nada possa me atingir?

Prometo fazer de tudo pra te mostrar a poesia que eu vivo, que eu faço pra viver.

Quem sabe, assim, eu faça uma pra você.

sábado, 11 de dezembro de 2010

...renovação...

Eu quis escrever uma carta. Uma carta que contasse tudo o que eu não consigo descrever.
Que contasse minha tristeza, que contasse meu choro escondido. 
Que contasse a saudade.

Eu quis escrever uma carta. Uma carta que falasse de amor. 
Amor acima de tudo. Amor que se renova, amor que molda minha existência.

Eu quis escrever uma carta...

Mas pensamento é como éter... Não consigo segurá-lo com as mãos, não posso apertá-lo contra o peito...
 Não posso tocá-lo.
Mas descrevo, pouco, o que sinto.
O resto, bom... 
O resto é entrelinha...