quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O mundo

Fico preocupada em ser delicada, em tratar assuntos chatos e não digeridos de uma forma leve e tranquila. Mas não, não consigo mais.
Não quero nem levantar a bunda da minha cadeira pra ir até você e dizer que estou cansada de tudo. Estou cansada desse capítulo do livro, já passei a página.
Te digo que esse é o fim do capítulo. Se estávamos bem? Talvez estivéssemos, não sei. Sei que tudo era uma bomba relógio e que a qualquer movimento brusco uma pequena cidade se reduziria a pó.
Prefiro assim, saída de fininho, sem explicações.
Não permito espaço para despedidas. 
A situação é essa, parti de livre e espontânea vontade, ainda que digam o contrário. Assumi completamente as rédeas da minha vida e agora recebo, também completamente, todas as consequências de cabeça erguida e sem medo.

A vida é um caquinho de vidro tão pequeno, que ao soprar da mais leve brisa saiu voando...

Me perco nos meus pensamentos, isso tudo que disse não significa que odeio ou vou gastar minha linda e leve energia te querendo mal. 
Não vou querer nada. 
Não vou esperar nada. 
~Apesar de achar bacãna que continue sua vida de onde parou da melhor forma que conseguir.~
Lembra quando dizia que não queria ouvir seu nome sair da minha boca? Nem isso vou exigir de você, fale para quem quiser falar, o que quiser falar. Não me importo. Estou desfazendo os nós e não sei se permancem os laços.
Não vou dizer que 'um dia talvez possamos falar sobre tudo isso' porque não tenho controle das minhas querências nesse instante. Estou vivendo o agora, e o meu agora é só meu, sem lembranças, sem dores e sem alegrias. Meu agora é o estado puro de mim mesma, nada mais.
E sim, estou muito bem.