Pular para o conteúdo principal

Dentro do armário só tem bolor e naftalina


Primeiramente, FORA TEMER! Agora, avisando, senta que lá vem textão, cheio de ira e se não quiser ler, FODAS, direito seu. 
  • "Primeiro a gente derruba ela, depois os outros corruptos"
  • "A esquerda trabalhadora tem que se unir por melhores condições de trabalho, depois a gente pensa na luta da mulher"
  • "O movimento gay tem que se estabilizar antes, ficar defendendo trans, bi e lésbica só vai enfraquecer a luta"
  • "Dentro do feminismo a gente tem que priorizar falar da mulher, sabe? Aborto e talz, se tentar representar todo mundo se perde"
  • "A expressão 'violência de gênero' já foi designada para luta das mulheres, as trans e as gay precisam achar outra palavra pra violência que sofrem"

Pessoas, parem!
Porque se vocês não perceberam que esses pensamentos todos se alinham perfeitamente com essa maneira imbecil de "priorizar" uma luta pra depois conseguir outra, vocês nunca vão conseguir nada. NA-DI-CA.
Eu quero tudo de uma vez, todo mundo vendo que (guardadas as devidas proporções e fazendo uma pausa pra vocês se preparem pra novidade) TODO MUNDO SOFRE.
Todo mundo sofre, de um jeito ou de outro, dependendo do contexto, dependendo da época, dependendo do recorte.

Eu já fui hostilizada pela minha cor porque sou branca demais pra ser negra. Quem me conhece me ofende me chamando de branca, sou brasileira, descendente de índia pega no laço, de negra estuprada por senhor, sou multicor, sou do sol, da terra. Mas o mais importante, não me identifico como branca.
Já fui hostilizada pela minha aparência: moleque demais; homem demais; não precisa ser masculina só porque você é sapatão. De novo, quem me conhece me ofende porque estou passando por um momento de auto conhecimento, estou descobrindo minha identidade, me aceitando. Já ouvi me dizerem que eu não podia sofrer transfobia porque tenho passabilidade sapatão. Apenas parem.
Dentro do mundo LGBT+ já fui cagada e pisada, de várias formas, gorda demais, não pego dyke, homem demais, se você fosse um ursinho seria muito lindo, mas tenho nojo de buceta ou ainda não precisa falar que é mulher só porque não quer me pegar (esses dois últimos de um gay na balada).
PAREM DE RELATIVIZAR AS MERDA DAS LUTAS. VOCÊS QUE GOSTAM DE DIZER QUE TEM QUE SOMAR, ANDAR DE MÃOS DADAS, VOCÊS SÓ QUEREM ANDAR DE MÃOS DADAS COM QUEM PENSA E QUER O MESMO QUE VOCÊ.
Já pararam pra pensar que essa crise política pode tirar tudo TUDO TU-DI-NHO que a gente já conquistou? E aí o que? Vamos priorizar de novo? Primeiro a gente tem que conquistar o direito de se expressar abertamente? Depois a gente vê?

EU QUERO TUDO. 

Eu não quero ter filhos, luto pelo direito de escolha da mulher, abortar se quiser, criar um filho dignamente se quiser e nos dois casos ser apoiada, pelo governo, pela sociedade...
Não posso me considerar negra no Brasil? FODAS, eu quero que esse genocídio negro nas periferias acabe!
Não sou trans? Miga, QUEM É VOCÊ PRA DEDUZIR ISSO? Minha meta é ter o corpo que eu sempre sonhei, esse corpo tem barba e a sociedade faz uma leitura "masculina" e eu vou conquistar isso com o tempo. Mas quero que, agora mesmo, vocês parem com essa porra de segregação, essa negação da identidade das pessoas. Parem de cagar regra no gênero dos outros. Vocês estão fazendo com as pessoas trans o mesmo que foi feito com as pessoas bissexuais, lésbicas e gays. Lembram? "Gay só é gay porque durante a gestação blablabla, hormônio feminino, blablabla". Agora é: "o que define quem é homem e mulher é o desenvolvimento 'natural' de um pênis ou vagina". Cara, não tenho nem estômago pra comentar isso.
Sério, me cansou abrir essa rede e ver a quantidade de relativização estúpida, em nome de um debate construtivo, que me soou muito mais como: lalala sou mais importante, minha opinião vale mais, você não sabe do que está falando lalala.
Tenho me calado muito nesses tempos sombrios, tenho estado fraca, depressão dominando meus dias... Mas chega, chega de deduzir o que a outra pessoa representa, qual sua história e qual sua posição. Vão todos se foderem porque nada mais restaurador que um gozo CONSENTIDO, acompanhada ou só.
Nunca mais coloquem palavras na minha boca, posso demorar, posso ter uma personalidade calma tranquila e diplomática, mas tudo tem limite e, pessoas da internet, vocês passaram do meu.
O texto tá publico, quer comentar? Comenta aí, mas o blog é MEU e eu faço a moderação que EU quiser na MINHA PÁGINA. Quer debater? Fique à vontade, mas quem é amigo sabe, as vezes eu demoro MUITO pra responder, não é pessoal. Leu e discordou? Estou aberta pruma conversa maroto sem agressividade. Me chama aí. E finalizando: EU NÃO USO SALTO PORQUE AGARRA NO PEDAL DO CAMINHÃO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor dá em árvore? Muda de nome e endereço? Amor atende telefone? Anda descalço, sobe pelas paredes? Amor sabe o que é laço? Entende bem o português que falo? Amor joga video-game, pula corda? Amor anda de bicicleta? Amarra os sapatos? Brinca de esconde esconde? Amor sabe que faz falta? Onde o amor faz as compras de mês? Qual padaria prefere aos sábados? Onde se diverte? Amor sabe dar cambalhota? Plantar bananeira? Amor pisca?
Amor sente.

Qual o som das ondas quando não há ninguém para ouvi-las?

Te beijar não é uma expectativa, como numa obrigação cotidiana como trabalhar ou lavar os pés. É desejo, uma esperança que pode ou não se concretizar. É um sabor que faz falta no café da manhã, Um carinho gostoso de se ter. Ter? O que tenho são as lembranças, as sensações. O que tenho é a vontade de te ver feliz. Isso basta? Isso acalma. Sentir seus beijos me faz feliz, te faz? Minha vontade às vezes é de não soltar minha boca da sua. Na impossibilidade me satisfaço de outras formas, Me deixo contente com notícias boas, Me acalento com a visão de que nada na vida é imutável, mesmo que improvável. Não posso mudar o mundo para acolher todas as minhas vontades Nem mudar minha vontade pra encaixar o mundo.
Deixo fluir, liberto, pra entender os espaços que ocupo, que me cabem, que me afastam e aproximam dos seus lábios, como onda.

Conversa de parafusos

E já se vão quase cinco anos... Quase cinco depois que o barco virou e eu perceber que não sabia nadar. Achei que sabia, mas só tinha nadado nas águas rasas e sob sua supervisão.

Mas esse não é um texto desabafo sobre o quanto sinto sua falta, porque sinto, mas essa agora é uma constante e não vem ao caso. Começo assim o texto porque sinto que escrever, hoje em dia, é meio como falar com você. Fica mais fácil conversar com a mãe na minha cabeça pra conseguir escrever a quem quer que leia, sobre as coisas que andam e pisam e esmurram portas. Não literalmente, é uma conversa sobre sensações, mãe. Já tive muita raiva, bom, as vezes me irrito pensando que você nunca mais vai estar aqui pra poder discutir política comigo, sentar e rir das bobeiras que eu falo. E brigar, céus, como é estranho sentir falta das brigas que a gente tinha! Eu já tive raiva de não poder contar com você pra fatura do cartão, pro almoço no fim do mês, pra falar que tô estudando de novo, serviço social, imagina? Ela …